quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Aquele beijo na testa
Diz que o italiano se encontra “bastante desiludido e agastado com o nosso país” e por isso decidiu abandonar Lisboa. Eu digo que foi a cena dos beijos na testa que não pegou.

Da única vez que fui ao Luca o Luca Manissero, o gerente, um tipo assim alto e careca, bem-parecido, agarrou-me na cabeça com as duas mãos, disse “ma que cosa!” e pregou-me um chocho na testa. Achou que eu estava com cara de poucos amigos por estar esperando há mais de quarenta minutos pela mesa reservada de tarde, chateado apesar de ter três mulheres bonitas comigo. É que eu não gosto de esperar.

“O conhecido restaurante italiano Luca surpreendeu tudo e todos ao fechar as portas na semana passada, dia 22.”

2 comentários:

AR disse...

ahaha X) mille baci*

. disse...

Por acaso uma vez eu e o meu namorado tb nos passámos com os atrasos e ele fez uma ao meu namorado em frente de um monte de gente que lá estava que eu nunca mais lá fui. Não foi um beijo na testa mas foi algo meio gayzola e ainda nos tratou como se fôssemos grandes amigos... um companheirismo meio barato e falso, para ver se deixava o cliente mais bem disposto. Achámos de mau gosto e de certa forma acabou a ridicularizar-nos.
Acho que já vai tarde.